BELT - Cálcio e Vitamina D - Morango Cremoso - 60 pastilhas

R$57,55

BELT CÁLCIO E VITAMINA D sabor morango cremoso, possui o exclusivo Citrato Malato, que é 2x melhor absorvido pelo organismo, na forma mastigável é indispensável para a saúde óssea. Contém vitamina D, que é necessária para o metabolismo do cálcio. Sem a vitamina D, apenas uma margem de 10% a 15% de cálcio é absorvido, enquanto na presença da vitamina, a absorção aumenta para uma faixa entre 30% a 40%. Isso significa que a vitamina D associado ao cálcio pode reduzir o risco de osteoporose e fraturas.

Recomendações de uso:

Mastigar 1 ou 2 comprimidos ao dia, conforme recomendação. Ficar atento ao intervalo necessário durante o uso devido o risco cardiovascular.

Quantidade
Em estoque

Benefícios:

  • Idosos que possuem risco de fraturas ou redução de massa óssea;
  • Mulheres na menopausa;
  • Pessoas que fizeram a cirurgia da obesidade e tiveram a capacidade absortiva reduzida
  • Pessoas que necessitem repor cálcio

O cálcio é o mineral mais abundante no corpo, indispensável e fundamental ao crescimento por fazer parte dos constituintes dos ossos e dentes, estabilizar membranas de células excitáveis como músculos e nervos, participar de processos de coagulação sanguínea e na atividade de diversas enzimas. As vitaminas são compostos orgânicos essenciais para reações metabólicas específicas.

   A vitamina D tem várias funções biológicas, sendo importante no metabolismo do cálcio e assim atuando no metabolismo ósseo.

   Com o avanço da idade, a retenção óssea do cálcio dos alimentos é limitada, a menos que haja vitamina D suficiente, a baixa ingestão de vitamina D ou a exposição inadequada à luz solar reduzem a absorção de cálcio, especialmente nos idosos, além disso, a eficiência da produção cutânea de vitamina D nos idosos é menor do que naqueles mais jovens. A deficiência de vitamina D pode ser assintomática e tem sido relacionado a um aumento na incidência de quedas e diminuição na força muscular, ocorrendo melhoras na suplementação, agindo e facilitando o transporte de cálcio e estimulando a síntese proteica. Estudos tem demostrado que deficiências nutricionais de vitaminas, como a deficiência de vitamina D, estão presentes na obesidade, possivelmente por exercer papel importante na regulação da adiposidade ou nos mecanismos de regulação do apetite.

   Cerca de 10% a 30% do cálcio ingerido é absorvido no organismo, mas algumas pessoas podem absorver menos. Existem fatores que aumentam a absorção de cálcio:

  • Períodos de maior demanda como crescimento, gestação e lactação.
  • A vitamina D controla a síntese de uma proteína carreadora do cálcio e promove a absorção.
  • A lactose aumenta a absorção de cálcio através da ação dos lactobacilos que produzem ácidos lácticos e diminuem o pH intestinal, pH mais ácido absorve mais cálcio.

   E também existem fatores que diminuem a absorção de cálcio como:

  • Deficiência de vitamina D.
  • Deficiência de fósforo.
  • Excesso de gordura no intestino pode-se combinar com o cálcio e formam sabões insolúveis que não são absorvidos.
  • Fibras dietéticas insolúveis, essas se ligam no cálcio e impedem sua absorção.

   Na gestação, a demanda de cálcio fica maior devido o cálcio da mãe ser mobilizado para ajudar na formação do esqueleto do feto, na produção de leite e demais necessidades. Na lactação, a quantidade de cálcio adequada se faz necessária devido à produção do leite materno, a mulher pode vir a perder massa óssea recorrente da menor produção de estrogênio (hormônio que protege os ossos), após o término da amamentação essa perda óssea é recuperada.

   As concentrações de cálcio são maiores no início da vida e vão diminuindo gradualmente durante o decorrer da vida. Mulheres na menopausa também precisam obter quantidades suficientes de cálcio para manter a saúde óssea.

Fontes de cálcio: leite e seus derivados, vegetais verdes escuros, gema de ovo, oleaginosas.

QUANTIDADE DE CÁLCIO NOS ALIMENTOS

ALIMENTO

PORÇÃO

CÁLCIO (mg)

Leite de vaca integral

250ml

290

Leite semi desnatado

250ml

297

Queijo minas

30g

139

Coalhada

200g

130

Queijo mussarela

20g

103

Requeijão

15g

84,7

 

   Houve aumento significativo no número de cirurgias bariátricas nos últimos anos. Isto se deve a acentuada perda de peso, aliado a melhora ou regressão da comorbidade, como diabetes, dislipidemia, hipertensão, entre outros. Com isso tem crescido a preocupação com os distúrbios nutricionais no período pós operatório, com o estado nutricional e aporte de vitaminas e minerais no organismo. Pacientes que tiveram grande perda de peso podem sofrer de osteoporose e osteomalácia, independente da técnica cirúrgica, com perda de massa óssea no colo do fêmur e coluna lombar.

   Conclui-se que pacientes obesos, requerem uma atenção nutricional especial a saúde óssea, especialmente nos períodos pré e pós-operatório de cirurgia bariátrica. O monitoramento nos níveis de vitamina D e cálcio e a reposição é necessária, para prevenir graves consequências em longo prazo e oferecer uma saudável qualidade de vida.

            A suplementação de cálcio e vitamina D tem sido reco­mendada para a maioria das terapias de perda de peso com o objetivo de prevenir a reabsorção óssea. Na presença de um ambiente menos ácido, com a diminuição do estômago após a cirurgia bariátrica, a ab­sorção de carbonato de cálcio torna-se comprometida.

66